Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção em contexto escolar: conhecer, compreender, avaliar e intervir

4 Ago

– 25 horas, creditadas pelo CCPFC


Data da Realização:

  • 11 e 18 de novembro: das 14h30 às 19h30
  • 12, 19 e 26 de novembro: das 09h00 às 14h00

FORMADORA

Maria Ângela Quintal de Freitas

DESTINATÁRIOS

Docentes de todos os grupos de recrutamento

METODOLOGIA

1. Exposição/Apresentação teórica e teórico/práticas.

2. Metodologia diversificada, privilegiando os métodos ativos centrados no envolvimento ativo (cognitivo e motivacional) dos formandos no processo de aprendizagem (ex.: brainstorming; dinâmicas de grupo; debates; reflexão partilhada; reflexão individual; trabalho de grupo e dramatizações).

2.1. Trabalho individual.

2.2. Trabalho a pares.

2.2.1. Partilha de pontos de vista e apresentação das conclusões.

2.3. Trabalho de grupo.

2.3.1. Discussão em pequeno e em grande grupo.

OBJETIVOS (GERAIS/ESPECÍFICOS)

Objetivos Gerais:

 – Desenvolver as competências práticas para dar resposta às necessidades educativas específicas dos alunos com Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção.

Objetivos Específicos:

– Identificar os sinais de alerta associados à PHDA na sala de aula;

– Distinguir as diferentes formas de apresentação de PHDA;

– Reconhecer as possíveis comorbilidades;

– Identificar as implicações da PHDA no normal desenvolvimento da criança;

– Conhecer e saber como aplicar algumas escalas de avaliação destinadas aos docentes dessas crianças/jovens;

– Conhecer algumas estratégias de intervenção psicossocial;

– Analisar casos práticos e estudos de caso, numa perspetiva de aliar a teoria à prática;

– Produzir materiais adequados a casos concretos de alunos com PHDA.

CONTEÚDOS

 I – Apresentação da formadora e dos formandos, explicitação das modalidades de avaliação e dos conteúdos a abordar ao longo da formação. (30 min)

1. Reflexão sobre o conceito de Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA), etiologia e prevalência. (2h30)

2. Abordagem à PHDA – definição e formas de apresentação. (2h00)

3. Características das crianças com PHDA, indicadores e sinais de alerta. (2h30)

4. Causas da Hiperatividade. (1h30)

5. Diagnóstico e etapas de avaliação clínica da PHDA. (2h30)

5.1. Escalas de avaliação da PHDA (pais e professores). (1h30)

6. Intervenção 6.1. Intervenção psicossocial (contexto escolar e familiar). (1h30)

6.2. Intervenção cognitivo-comportamental. (30 min)

6.3. Intervenção médica/farmacológica. (30 min)

7. Estratégias de intervenção pedagógica a partir da análise de casos práticos e estudos de caso. (6h00)

8. Dramatizações a partir de casos práticos. (2h30)

9. Avaliação da formação. (1h00)

 AVALIAÇÃO DOS FORMANDOS

Os formandos serão avaliados conforme estipulado na Carta Circular CCPFC -3/2007 do Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua:

«Excelente – de 9 a 10 valores;

Muito Bom – de 8 a 8.9 valores;

Bom – de 6.5 a 7.9 valores;

Regular – de 5 a 6.4 valores;

Insuficiente – de 1 a 4.9 valores.»

Os formandos serão ainda avaliados tendo em conta os seguintes parâmetros:

Trabalho individual: 35%

Trabalho de grupo: 20%

Intervenções pertinentes: 15%

Tarefas realizadas nas sessões: 15%

Empenho global na ação: 15%

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.