Expressão e Educação Físico-Motora: potencializar as aprendizagens através do trabalho colaborativo

25 Jul

FORMADOR

António Manuel Antunes

CALENDARIZAÇÃO

7 sessões – 11 e 12 de setembro: das 08h30 às 13h30; 4 sessões teórico-práticas, e uma sessão trabalho individual, das 09h00 às 13h00 em data a indicar

JUSTIFICAÇÃO

Com a presente ação de formação, pretende-se clarificar o conceito de educação inclusiva e disponibilizar estratégias práticas de avaliação e intervenção que permitam adaptar as estratégias de ensino e aprendizagem, baseadas na flexibilidade curricular e nas medidas de acesso ao currículo e às aprendizagens, adequando os processos de ensino às características e condições individuais de cada aluno, valorizando as suas potencialidades, interesses e preferências.

Pretende-se também orientar para a operacionalização de práticas pedagógicas e de estratégias de ensino e aprendizagem promotoras de inclusão, assegurando a equidade na participação, no acesso ao currículo e às aprendizagens com sucesso escolar.

DESTINATÁRIOS

Docentes dos grupos 100, 110, 160, 260 e 620.

METODOLOGIA

Sessão 1

Teórica: apresentação das matérias do programa de EEFM e sua relevância no processo de formação de crianças do pré-escolar e 1.º ciclo do ensino básico.

Apresentação de estratégias e metodologias de ensina adaptadas a crianças dos 3 aos 10 anos de idade.

Sessão 2

Teórica: apresentação da importância do trabalho colaborativo entre docentes: como potencializar as aprendizagens.

Apresentação das fases da aula de EEFM e cuidados a ter no planeamento. Planeamento das componentes práticas.

Sessão 3

Prática: aplicação das formas organizacionais de aula (circuitos) sem trabalho colaborativo.

Teórica: discussão dos resultados face aos objetivos educativos (tempo efetivo de prática e rentabilização do tempo de aula).

Prática: aplicação das formas organizacionais de aula (circuitos) sem trabalho colaborativo.

Teórica: discussão dos resultados face aos objetivos educativos (tempo efetivo de prática e rentabilização do tempo de aula).

Sessão 4

Prática: aplicação das formas organizacionais de aula (jogos) sem trabalho colaborativo.

Teórica: discussão dos resultados face aos objetivos educativos (tempo efetivo de prática e rentabilização do tempo de aula).

Prática: aplicação das formas organizacionais de aula (jogos) sem trabalho colaborativo.

Teórica: discussão dos resultados face aos objetivos educativos (tempo efetivo de prática e rentabilização do tempo de aula).

Sessão 4

Prática: aplicação das formas organizacionais de aula (estações) sem trabalho colaborativo.

Teórica: discussão dos resultados face aos objetivos educativos (tempo efetivo de prática e rentabilização do tempo de aula).

Prática: aplicação das formas organizacionais de aula (estações) sem trabalho colaborativo.

Teórica: discussão dos resultados face aos objetivos educativos (tempo efetivo de prática e rentabilização do tempo de aula).

Sessão 5

Prática: aplicação das formas organizacionais de aula (estafetas) sem trabalho colaborativo.

Teórica: discussão dos resultados face aos objetivos educativos (tempo efetivo de prática e rentabilização do tempo de aula).

Prática: aplicação das formas organizacionais de aula (estafetas) sem trabalho colaborativo.

Teórica: discussão dos resultados face aos objetivos educativos (tempo efetivo de prática e rentabilização do tempo de aula).

Sessão 6

Considerações finais.

Trabalho individual sobre as metodologias desenvolvidas

CONTEÚDOS

5.1 – Matérias de ensino de educação Física:

5.1.1 – Perícia e Manipulação,

5.1.2 – Deslocamentos e Equilíbrios,

5.1.3 – Ginástica,

5.1.4 – Jogos,

5.1.5 – Patinagem,

5.1.6 – Atividades Rítmicas e Expressivas, e

5.1.7 – Natação.

5.2 – Fases da aula:

5.2.1 – Ativação geral do organismo,

5.2.2 – Parte principal,

5.2.3 – Retorno à calma.

5.3 – Forma de organização de aula:

5.3.1 – Jogos lúdicos;

5.3.2 – Estafetas;

5.3.3 – Estações; e,

5.3.4 – Circuitos.

AVALIAÇÃO DOS FORMANDOS

Os formandos serão avaliados conforme estipulado na Carta Circular CCPFC -3/2007 da responsabilidade do Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua.

«Excelente – de 9 a 10 valores;

Muito Bom – de 8 a 8.9 valores;

Bom – de 6.5 a 7.9 valores;

Regular – de 5 a 6.4 valores;

Insuficiente – de 1 a 4.9 valores.»

Assiduidade e pontualidade- 15%

Participação e intervenção oportuna na discussão dos conteúdos abordados-15%

Trabalho individual sobre os conteúdos abordados e desenvolvidos na formação- 70%

Inscrições online aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.