Emergência Climática: A Educação para a Cidadania Global no Combate às Alterações Climáticas

17 Fev

validada pela DRE – ITG-3111/23

8 horas

Modalidade e-learning: sessão síncrona – 2 horas/ sessões assíncronas – 6 horas

FORMADORA

Sofia Lopes

MODALIDADE

E-learning

DESTINATÁRIOS:

Docentes dos 2.º, 3.º ciclos e ensino secundário

JUSTIFICAÇÃO

O curso de formação “Emergência Climática: A Educação para a Cidadania Global no Combate às Alterações Climáticas” assenta numa abordagem crítica das tendências e dos desafios globais da atualidade, na perspetiva dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030, das Nações Unidas.

De acordo com o  Secretário-Geral das Nações Unidas (Reunião do Clima de Abu Dhabi, em junho de 2019), António Guterres,  “A questão das alterações climáticas é a questão mais premente dos nossos tempos. Poder-se-á mesmo dizer que vivemos num momento decisivo para a espécie humana. Desde a mudança dos padrões climáticos, que ameaçam a produção de alimentos, até à subida do nível das águas do mar, que aumentam o risco de inundações catastróficas, os impactos das alterações climáticas têm uma escala sem precedentes. Sem uma ação drástica e urgente, será cada vez mais difícil para o ser humano adaptar-se aos efeitos devastadores do aquecimento global”.

As Alterações Climáticas são um tema premente dentro do eixo da Educação Ambiental, presente na Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania (ENEC) e no Referencial de Educação Ambiental para a Sustentabilidade para a Educação Pré-Escolar, o Ensino Básico e o Ensino Secundário. A ENEC considera Educação para a Cidadania uma missão de toda a escola, propondo a implementação da mesma na componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento, nos 2º e 3º ciclos, e uma abordagem de “Whole-school Approach” em todos os níveis.

O Referencial referido acima indica que os/as alunos/as devem “usar o conhecimento para interpretar e avaliar a realidade envolvente, para formular e debater argumentos, para sustentar posições e opções, competências estas consideradas fundamentais para a participação ativa na tomada de decisões fundamentadas, numa sociedade democrática, face aos efeitos das atividades humanas sobre o ambiente.” (Câmara et al, 2018)

Para concretizar os objetivos da ENEC e do Referencial, é importante capacitar os/as docentes para uma reflexão crítica em torno das questões ambientais. Torna-se necessário que a formação de professores/as compreenda um “processo permanente que favoreça uma prática reflexiva, a mobilização de competências e a construção de novas. Tudo isso irá contribuir para a formação de dinamizadores, articuladores, em busca da construção de uma sociedade mais justa e ambientalmente sustentável, bem como a qualidade de vida das presentes e futuras gerações.” (Oliveira, 2015).

O curso foi desenvolvido no âmbito do projeto “BET! Beyond COVID-19: A nova era do Ensino. Ensino digital para a inclusão social”, financiado pelo programa ERASMUS+ da União Europeia, promovido por cinco Organizações europeias (https://aidglobal.org/project/beyond_covid/).

OBJETIVOS

Objetivo Global: Contribuir para a capacitação de docentes em torno do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 13 – Ação Climática.

Objetivos específicos:

– Apresentar a Agenda 2030 e os 17 ODS da ONU;

– Conhecer e compreender as Alterações Climáticas;

– Identificar os padrões típicos de notícias falsas relativas às Alterações Climáticas;

– Compreender os efeitos da ação humana na Biodiversidade;

– Refletir acerca de possíveis ações de mitigação que cada um de nós pode empreender ao ter em conta as suas opções de compra e consumo;

– Compreender o papel individual e coletivo na persecução dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

CONTEÚDOS

Módulo 1: A Agenda 2030 e os ODS: Cores para um mundo sustentável.

Módulo 2: O Glossário das Alterações Climáticas.

Módulo 3: Desfazer um mito e navegar pelas notícias falsas sobre as alterações climáticas.

Módulo 4: Literacia mediática.

Módulo 5: Ação Humana vs. Alterações Climáticas. A nossa pegada.

Módulo 6: “Todas as tempestades começam com uma só gota”. Um esforço comum contra as Alterações Climáticas.

METODOLOGIA DA FORMAÇÃO

O curso inicia-se com uma sessão síncrona de duas horas, na qual os participantes se conhecem e aprendem a mexer na plataforma de aprendizagem online onde será disponibilizado o curso.

Os/As participantes continuam o curso através de sessões assíncronas com a duração de 6 horas. A formadora estará disponível para responder às dúvidas e questões dos/as formandos/as através do fórum existente na plataforma online e de e-mail.

As plataformas a utilizar ao longo da formação serão o “Moodle” (sessões assíncronas)  o” Zoom (sessão síncrona e interação dos formandos com a formadora, sempre que necessário).

Este curso é composto por 6 módulos e uma avaliação final, a qual constará da planificação de uma sequência didática, a partir dos conhecimentos adquiridos.

Cada módulo vai explorar um aspeto diferente da Ação Climática, através de materiais diferentes e interativos, tais como vídeos, quizes, atividades práticas e ficheiros descarregáveis, que promoverão o pensamento crítico e uma ação pedagógica em torno do tema.

Os formandos terão de interagir na plataforma em várias etapas, completando tarefas e avançando progressivamente nos módulos.

Neste parâmetro a avaliação será feita a partir da realização das atividades propostas e submetidas na plataforma “moodle”, que disponibiliza um registo das presenças e da participação dos formandos.

AVALIAÇÃO DOS FORMANDOS

A avaliação será individual, qualitativa e quantitativa, expressa numa escala numérica de 1 a 10 valores, prevista na legislação que enquadra a formação contínua dos docentes da Região Autónoma da Madeira, nos termos da alínea k) do n.º 2, do Capítulo II do Anexo da Portaria n.º 36/2021, de 18 de fevereiro, com os parâmetros seguintes:

Excelente – de 9 a 10 valores;

Muito Bom – de 8 a 8,9 valores;

Bom – de 6,5 a 7,9 valores;

Regular – de 5 a 6,4 valores;

Insuficiente – de 1 a 4,9 valores.

A avaliação será realizada com base nos seguintes critérios:

Participação na sessão síncrona (10%):

– intervenções;

– proatividade;

– interação.

Realização das atividades propostas na plataforma “moodle”: exercícios/trabalhos e dinâmicas desencadeadas pelos documentos escritos e audiovisuais disponibilizados na plataforma (45%):

– correção;

– adequação ao tema.

Participação nos fóruns (20%):

–  pertinência e correção;

– regularidade.

Trabalho Individual: sequência didática, aplicando os conteúdos lecionados ao longo da formação (25%):

– demonstração das aprendizagens adquiridas;

– pertinência dos assuntos abordados;

– coesão e coerência do discurso;

– correção e adequação do discurso.

BIBLIOGRAFIA

  •  Câmara, A. et al (2018). Referencial de Educação Ambiental para a Sustentabilidade para a Educação Pré-Escolar, o Ensino Básico e o Ensino Secundário (Ministério da Educação).
  •  Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória.
  •  Ministério da Educação (2017). Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania.
  •   Oliveira, M. (2015). (Re)Pensando A Formação De Professores Em Educação Ambiental. Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas –UFSM. p. 08−16.  
  •  ONU (2015). Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. (Trad. Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil)..

Inscrição online aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *