Intervir para a Igualdade entre Mulheres e Homens – Uma abordagem Pedagógica – Inscrições

7 Jun

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO                         

Intervir para a Igualdade entre Mulheres e Homens – Uma abordagem Pedagógica

      25 horas (creditada pelo CCPFC)

FORMADORA

Ana Bela Dinis

CALENDARIZAÇÃO

18 de julho

 

10h00 – 13h00 14h30 – 18h30
19 de julho 09h00 – 12h00

14h30 – 18h30

20 de julho  9h00 – 13h00

14h30 – 16h30

21 de julho 09h00 – 14h00

 

JUSTIFICAÇÃO

A igualdade entre mulheres e homens, é uma vertente fundamental nos programas curriculares dos cursos destinados à qualificação de jovens e adultos para a (re) inserção na vida profissional, ou melhoria de conhecimentos, aptidões e competências baseada na aprendizagem ao longo da vida.

A proposta de ação, destinada à formação de professores/as, insere-se nesta linha de orientação e visa a alteração de atitudes e comportamentos, nos contextos sociais e laborais, com vista ao reconhecimento e ao exercício pleno da igualdade entre mulheres e homens, na vida familiar, na atividade profissional e na sociedade.

Neste sentido, procuramos valorizar a atividade dos professores/as, enquanto profissionais, contribuindo para o aperfeiçoamento das suas funções, dando-lhes a conhecer novos instrumentos de trabalho e estimular o seu empenho na formação de novas mentalidades, que permitam abertura a outras formas de relacionamento na ação pedagógica, no espaço de formação e na construção de valores, que assumam a diferença entre os sexos e reclamem a igualdade de direitos e deveres face à sociedade em que vivemos.

Tendo presente esta dupla vertente, a proposta apresentada desenvolve-se em torno das seguintes ideias fundamentais:

– O papel do professor/a, formador/a na relação pedagógica e na mudança de atitudes e comportamentos face a preconceitos instalados;

– A formação para a cidadania, a consciência dos direitos e deveres cívicos e na aplicação prática dos direitos de igualdade e da igualdade de oportunidades;

– A intervenção para a mudança baseada na análise, métodos de trabalho e práticas pedagógicas, que permitam a concretização de objetivos destinados a eliminar procedimentos que levam à discriminação e à igualdade entre mulheres e homens.

Considerando que a transformação necessária nas mentalidades só é possível com a implementação de medidas de formação, que questionem as formas tradicionais de encarar o estatuto das mulheres e homens, na vida como em sociedade, a presente proposta insere-se numa perspetiva de desenvolvimento social e de cidadania participativa, como componentes fundamentais da democracia.

 

DESTINATÁRIOS

Docentes de todos os grupos disciplinares

 

METODOLOGIA

Módulo I – Acolhimento, Integração do Grupo e Organização da Ação

– Apresentação mútua, com base no jogo com o nome próprio ou outros dizeres, onde cada um, alternadamente, apresente o parceiro do grupo.

– Optando pelo nome individual deve definir-se, previamente, os aspetos pessoais que interessa revelar no contexto da apresentação.

 

Módulo II – Identidade de Género na relação Pedagógica e na Prática Social

– Exposição inicial do formador/a sobre os aspetos teóricos e indicação dos métodos ativos a utilizar no decorrer da sessão;

– Trabalho em pequenos grupos para debater as questões de identidade e género através das experiências vividas;

– Análise de vocábulos, definições de profissões, representações pictóricas, que incidam sobre a identidade e a vida quotidiana das mulheres e dos homens no real.

 

Módulo III – Comunicação, Linguagem e Relacionamento no Espaço de Formação

– Exposição inicial sobre os métodos ativos a utilizar;

– Trabalho de grupo com simulação das características de mulheres e homens célebres;

– Trabalho de pesquisa em documentos históricos, vídeo ou gravuras de épocas diferentes.

 

Módulo IV – Os Estereótipos de Género

-Exposição inicial sobre a metodologia a adotar, incentivando ao desenvolvimento de projetos de

investigação / ação sobre traços psicológicos e papéis sociais de masculino /feminino;

-Trabalho de pesquisa em grupo incidindo na base de experiências concretas;

– Discussão dos resultados.

 

Módulo V – Cidadania, Igualdade de Oportunidades e Desenvolvimento Social

– Trabalho de grupo para investigação de direitos de cidadania;

– Simulação sobre práticas de implementação de programas de aprendizagem e formação em igualdade de oportunidades.

 

Módulo VI – Como fazer para contribuir para a mudança

-Apresentação das medidas positivas do projeto NOW LUNA e discussão sobre o papel do professor/a na sua implementação;

– Apresentação do projeto de Coeducação: do princípio ao desenvolvimento de uma prática, e o seu impacto na formação de docentes como inovação pedagógica. Na base dos textos de apoio escolhidos para

a ação de formação.

 

Módulo VII – A igualdade de oportunidades no acesso ao emprego, no local de trabalho e na formação profissional – 3 Horas

– Apresentação de situações e debater os problemas inerentes à situação concreta da escola onde trabalham, enquanto trabalhadores/as;

– Estudo de casos sobre violação do direito à igualdade;

– Simulações sobre experiências reais;

– Identificação de boas práticas em relação às condições de trabalho dos/as professores/as.

 

Módulo VIII – Valor social da maternidade e paternidade e a conciliação entre vida familiar e atividade profissional

– Exposição e análise sobre legislação em causa, respostas legislativas e medidas a implementar.

– Estudos de casos de violação dos direitos de maternidade e paternidade;

-Simulações sobre situações concretas de aplicação de medidas positivas e boas práticas para a conciliação da vida familiar e atividade profissional.

 

Módulo IX. Encerramento

– A sessão de encerramento é da responsabilidade da coordenação da ação e deve ser orientada no sentido de troca de experiências sobre a dinâmica de grupo, os objetivos alcançados e o perfil de saída do/a formador/a;

 

CONTEÚDOS

I – Acolhimento, Integração do Grupo e Organização da Ação – 1 hora

– Apresentação do grupo e do/a formador/a, dar a conhecimento ao grupo do plano de sessão e organização do tempo.

 

II – Identidade de Género na relação Pedagógica e na Prática Social – 4 horas

– Fatores que intervêm na vivência pessoal e nas escolhas profissionais de cada professor/a; identidade das próprias, opções de vida, valores de referência e modos diferentes de acolher a imagem cultural do feminino/masculino;

– Consciência de si própria como pessoa e da sua relação pedagógica no espaço de formação.

 

III – Comunicação, Linguagem e Relacionamento no Espaço de Formação – 3 horas

– Os processos de construção social do género; simbolismo; organização social do trabalho; reprodução da discriminação na individualidade feminina/masculina;

– A linguagem como construção de identidade;

– Os materiais didáticos e a força das imagens na construção social do género;

– A história e o lugar das mulheres e dos homens no mundo: a família, o meio social, os direitos legais e as instituições.

 

IV – Os Estereótipos de Género – 3 horas

– Conceitos de estereótipo de género;

– Conteúdos dos estereótipos de género;

– Padrões de comportamento masculino e feminino;

– Abordagem teórica sobre desenvolvimento dos estereótipos de género;

– Abordagem sobre papéis sociais de género, na dupla perspetiva;

– A diferença de sexo não tem que originar desigualdades de género;

– Os papéis sociais, refletindo códigos de masculinidade e de feminilidade dominantes, são construções sociais mutáveis e não uma fatalidade “natural”.

 

V – Cidadania, Igualdade de Oportunidades e Desenvolvimento Social – 3 Horas

– A lei de Bases do Sistema Educativo e a Igualdade de Oportunidades;

– Legislação nacional e comunitária sobre direitos de cidadania;

– Estratégias para a implementação da igualdade de género, enquanto critério fundamental da democracia;

– A igualdade de oportunidades como motor de desenvolvimento

 

VI – Como fazer para contribuir para a mudança – 4 Horas

– Como aplicar os instrumentos para a igualdade entre mulheres e homens;

– Ações positivas;

– Estratégia de mainstreaming;

– Auditoria de género.

 

VII – A igualdade de oportunidades no acesso ao emprego, no local de trabalho e na formação profissional- 3 Horas

 

– Direitos constitucionais;

– Legislação de trabalho;

– Proteção social.

 

VIII – Valor social da maternidade e paternidade e a conciliação entre vida familiar e actividade profissional -3 Horas

 

– Os direitos de igualdade na protecção da maternidade e paternidade e sua efectivação;

– Boas práticas de conciliação entre vida familiar e actividade profissional.

IX – Encerramento – 1Hora

 

AVALIAÇÃO DOS FORMANDOS

A avaliação será individual, qualitativa e quantitativa, expressa numa escala numérica de 1 a 10 valores, nos termos previstos na Carta Circular CCPFC – 3/2007, de setembro de 2007, do Conselho Científico Pedagógico da Formação Contínua e com base nos seguintes critérios:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.