Uma perspetiva da utilização da calculadora gráfica e outras tecnologias no ensino da Matemática

27 Jul

Data da Realização

2, 3 e 4 de setembro, das 09h00 às 14h00

Esta formação terá um total de 15 horas validadas pela DRE.

FORMADORAS

 Luís Rodrigues

JUSTIFICAÇÃO

É sabido que as formações específicas para o grupo de recrutamento 500 são escassas e que a troca de ideias, experiências e

planificações das aulas é feita entre colegas, nas reuniões de grupo e dentro da própria escola onde cada professor leciona. Nesta medida, pretende-se, com esta formação, criar um espaço de reflexão e partilha de experiências e, eventualmente, de materiais didáticos e pedagógicos entre os formandos, que possam contribuir, em sala de aula, para a melhoria do processo de ensino–aprendizagem, face a uma cada vez maior diversidade de estilos de aprendizagem.

A exploração das potencialidades gráficas da calculadora e a análise, exploração e resolução de problemas diversificados também poderá contribuir para o enriquecimento das sessões durante a formação.

Efetivamente, torna-se cada vez mais impensável, nos dias de hoje, a ausência da utilização das tecnologias (calculadoras gráficas ou aplicações para telemóvel) nas aulas de Matemática.

Este módulo de formação surge para dar a conhecer aos professores algumas dessas aplicações e «softwares», para que se apropriem deles, explorando e utilizando as suas potencialidades, para que os integrem, de modo natural, nas práticas da sala de aula.

Por outro lado, ao explorarmos os conteúdos da disciplina de Matemática ao longo do 3.º Ciclo e Secundário, ganhamos uma maior flexibilidade na sua gestão, consecução e duração pois, como é sabido, um mesmo tema é abordado ao longo do 3.º Ciclo e Secundário sob diferentes formas e com, obviamente, diferentes graus de dificuldade.

DESTINATÁRIOS

Docentes do grupo 500

METODOLOGIA

A metodologia das sessões será constituída por duas componentes: uma de cariz teórico e outra de cariz prático.

A componente teórica incidirá sobre os pontos previstos nos conteúdos da ação.

Em relação à componente prática, esta incidirá, sobretudo, na resolução de problemas, através da utilização das tecnologias e/ou

outros procedimentos, com vista à aplicação em contexto de sala de aula, com os alunos;

No decorrer das sessões, serão abertos espaços para análise e debate.

CONTEÚDOS

– Resolução de problemas transversais ao 3.º Ciclo e Secundário;

– Exploração das potencialidades da Calculadora Gráfica através da realização de atividades, no âmbito do 3.º ciclo e Secundário;

– Análise e exploração de problemas das provas de Exames Nacionais e respetivos Critérios de Classificação;

– Utilização da Calculadora Gráfica na Resolução de problemas em Estatística

AVALIAÇÃO DOS FORMANDOS

Os formandos serão avaliados conforme estipulado na Carta Circular CCPFC -3/2007 da responsabilidade do Conselho Científico-

Pedagógico da Formação Contínua.

«Excelente – de 9 a 10 valores;

Muito Bom – de 8 a 8.9 valores;

Bom – de 6.5 a 7.9 valores;

Regular – de 5 a 6.4 valores;

Insuficiente – de 1 a 4.9 valores.»

A avaliação será realizada com base nos seguintes critérios:

*participação: iniciativa, espírito crítico e integração no grupo (20%)

*execução de trabalhos ao longo da formação: qualidade dos trabalhos e adequação às temáticas (35%)

*trabalho individual final: qualidade do trabalho, espírito crítico e adequação às temáticas (45%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.