“Critérios de avaliação da matemática à luz das aprendizagens essenciais”

12 Jul

15 horas validadas pela DRE


Data da Realização:

  • 7, 8 e 9 de setembro de 2022: das 09h00 às 14h00.

FORMADOR

Luís Freitas Rodrigues

DESTINATÁRIOS

Docentes do grupo 500

JUSTIFICAÇÃO

A temática da avaliação constitui um campo de extrema importância no processo de ensino-aprendizagem e é potenciadora de discussões e confronto de pontos de vista. Também, por outro lado, parece ser consensual que avaliar é fundamental no processo educativo/formativo dos alunos e, portanto, torna-se vital que o professor tenha não só conhecimento dos documentos oficiais e instrumentos que sustentam a avaliação das aprendizagens, como os estude, os analise criticamente e reflita sobre os mesmos.

Os desafios são cada vez mais crescentes face a um apelo cada vez maior na diferenciação pedagógica e na adequação dos métodos de ensino às reais dificuldades e aos estilos e ritmos de aprendizagens dos alunos. Defende-se até, que o mais importante, não é “o que se ensina” mas sim “o que se aprende”.

Os documentos oficiais e a legislação existente, nomeadamente o Currículo dos Ensino Básico e Secundário; as Aprendizagens

Essenciais; o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória; o Decreto-Lei nº 54 de 6 de julho; o Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho; a Portaria nº 223-A/2018, de 3 de agosto e a Portaria nº 226-A/2018, de 7 de agosto, legitimam e reforçam o papel da avaliação no processo de ensino-aprendizagem dos alunos.

Esta formação visa contribuir, através da análise e estudo de documentos, da realização debates e momentos de reflexão/questionamento, para uma melhor compreensão de conceitos e procedimentos, bem como sensibilizar os professores do grupo 500 para as mudanças de atitude e de práticas pedagógicas e, à luz destes mesmos, criar e aferir documentos de trabalho mais eficazes e justos e a melhor forma de os operacionalizar em contexto de sala de aula

METODOLOGIA

            Ao longo da formação será adotada uma metodologia teórico-prática, com base na exposição dos documentos legislativos e pedagógicos, a que se seguirá uma reflexão com o objetivo de contribuir para a adequação de alguns documentos à prática pedagógica dos formandos, com vista à melhoria das práticas pedagógicas.

OBJETIVOS (GERAIS/ESPECÍFICOS)

Objetivos Gerais

1. Analisar criticamente os documentos “Aprendizagens Essenciais” e “Critérios de Avaliação de Matemática”, no quadro da Autonomia e Flexibilidade Curricular;

2. Consolidar e aprofundar competências, estabelecendo relações entre conhecimentos científicos, disposições legais e procedimentos pedagógicos;

3. Promover, através do debate e da reflexão, o desenvolvimento das práticas docentes e a sua capacidade de avaliar o seu contributo na melhoria das aprendizagens dos alunos, na autoavaliação do seu desempenho e na colaboração das propostas definidas nos Conselhos de Turma;

4. Incentivar práticas de trabalho cooperativo que envolvam partilha de ideias e interação com os demais intervenientes do processo educativo;

5. Contribuir para a melhoria das práticas pedagógicas dos professores do grupo 500, centrando a formação na realização e exploração de propostas de atividades, no aprofundamento das suas potencialidades nos diferentes conteúdos do Programa da disciplina de Matemática e na reflexão das práticas pedagógicas.

Objetivos Específicos

1. Analisar e interpretar os documentos criados nas escolas e os diplomas legais;

2. Conhecer os objetivos, finalidades e procedimentos da avaliação e o modo de a integrar, de uma forma sistemática, contínua e reguladora nas práticas pedagógicas;

3. Relacionar conceitos, definir estratégias e elaborar documentos (as TAF; os DAC; os CA; as AE; etc) e refletir sobre as formas de os integrar nas práticas pedagógicas;

4. Fomentar o trabalho colaborativo e a entreajuda entre pares na realização das tarefas e na superação das dificuldades.

CONTEÚDOS

1. Matemática: as aprendizagens essenciais.

1.1. Os diplomas oficiais e os instrumentos teóricos.

2. Documentos de orientação curricular:

– Os Critérios de Avaliação da disciplina de Matemática (CA);

– As Aprendizagens Essenciais da Matemática (AE);

– As Técnicas de Avaliação Formativa (TAF);

– Os Domínios de Articulação Curricular (DAC).

2.1. Leitura/análise de documentos e discussão/reflexão.

2.1.1. Relação entre conhecimentos científicos, disposições legais e procedimentos pedagógicos.

2.2. Contributo dos documentos para a melhoria das práticas pedagógicas e, consequentemente, das aprendizagens dos alunos.

2.2.1. Estratégias potenciadoras de trabalho colaborativo e de entreajuda entre pares.

3. Propostas de criação/adequação/alteração/reestruturação de alguns documentos.

 AVALIAÇÃO DOS FORMANDOS

            Os formandos serão avaliados conforme estipulado na Carta Circular CCPFC -3/2007 do Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua:

«Excelente – de 9 a 10 valores;

Muito Bom – de 8 a 8.9 valores;

Bom – de 6.5 a 7.9 valores;

Regular – de 5 a 6.4 valores;

Insuficiente – de 1 a 4.9 valores.»

A avaliação será realizada com base nos seguintes critérios:

*participação: iniciativa, espírito crítico e integração no grupo (20%)

*execução de trabalhos ao longo da formação: qualidade dos trabalhos e adequação às temáticas (35%)

*trabalho individual final: qualidade do trabalho, espírito crítico e adequação às temáticas (45%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.