Preparar a transição da Educação Pré-Escolar para o 1.º Ciclo do Ensino Básico

19 Dez

Data da Realização

16 e 23 de janeiro: 14h30 – 18h00

17 e 24 de janeiro: 14h30 – 18h30

FORMADORA

Inês Ferraz

JUSTIFICAÇÃO

 O que se pretende, cada vez mais, é que a transição entre a Educação Pré-Escolar e o 1.º Ciclo seja benéfica e aposte numa continuidade, para que se promova o desenvolvimento harmonioso de todas as crianças. Para que isto se possa concretizar, segundo Sim-Sim (2010), é necessária a colaboração de todos os intervenientes no processo educativo de forma a se criarem pontes que levem ao desenvolvimento da linguagem oral e, consequentemente, ao sucesso da aprendizagem da linguagem escrita.

             Vários estudos comprovam a importância da consciência fonémica na aprendizagem da leitura e da escrita, bem como a necessidade de estimular na criança esta consciência, para que a aprendizagem não se torne frustrante.

             Ao iniciar o código alfabético, a criança percebe que existem diferenças entre a linguagem oral e a linguagem escrita, o que pode ser exemplificado através das catorze vogais orais que na escrita se representam por cinco vogais. Por esta razão, Freitas, Alves e Costa (2007) defendem que o docente deve aproveitar a experiência linguística que a criança possui para iniciar a leitura e a escrita, partindo das propriedades fónicas da palavra, as que a criança domina nesta fase de transição, para iniciar a aprendizagem formal da leitura e da escrita, tendo em conta que não se pode trabalhar a oralidade e a escrita isoladamente.

DESTINATÁRIOS

  Esta formação destina-se aos grupos de recrutamento 100, 100EE, 110 e 110EE

METODOLOGIA

As aulas serão Teórico/Práticas. Terão uma componente expositiva, onde se abordarão os referenciais teóricos subjacentes à temática em análise e uma componente prática, onde os formandos terão a oportunidade de experimentar os conteúdos explorados, tanto com os colegas de formação como com os seus alunos.

CONTEÚDOS

– Fundamentação teórica acerca da fonética, fonologia e consciência fonológica – 1 horas;

– Fundamentação teórica acerca da consciência fonológica e da sua influência na aprendizagem da leitura e da escrita – 2 horas;

– Exploração de atividades que promovem o desenvolvimento da consciência fonológica – 3 horas;

– Demonstração e aplicação de algumas atividades de identificação de fonemas – 2 horas;

– Exploração de atividades de supressão de fonemas – 2 horas;

– Dinamização de atividades de exploração de rimas – 1 horas;

– Definição de “escrita inventada” e estratégias para o seu desenvolvimento na sala de aula – 2 horas.

– Reflexão sobre o benefício da aplicação destas atividades com as crianças – 2 horas.

 

AVALIAÇÃO DOS FORMANDOS

A avaliação será individual, qualitativa e quantitativa, expressa numa escala numérica de 1 a 10 valores, nos termos previstos na Carta Circular CCPFC – 3/2007, de setembro de 2007, do Conselho Científico Pedagógico da Formação Contínua e com base nos seguintes critérios: 

Participação ativa nas sessões – 30%

Tarefas realizadas ao longo das sessões – 40%

Trabalho final individual – 30%

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.